De uma forma mais direta ou menos expressiva, o desejo natural da maioria dos líderes de Empresas Familiares passa por atrair os seus descendentes para trabalharem no negócio de Família.

Tendo presente esta vontade, é fundamental perceber a forma como ela se pode ou deve manifestar; isto é, se se trata de um direito adquirido por nascimento ou se está inserida numa estratégia empresarial, que visa captar os mais aptos às necessidades da organização.

Um estudo da Egon Zehnder verificou que existem dois requisitos comuns e de grande relevância que são considerados para a introdução das gerações maias novas, apesar de ponderações distintas por área geográfica de localização da sociedade, a saber:

  • Realização de estágio ou trabalho prévio na própria empresa;
  • Possuírem uma experiência prévia de trabalho em entidades externas.

Concretamente, a realização de trabalho em entidades externas tem ganho uma importância crescente no mundo empresarial moderno. Um estágio em outra empresa permite, entre outras coisas:

  • Adquirir competências profissionais;
  • Colocar em prática os conhecimentos académicos;
  • Estar exposto a uma cultura empresarial nova e diferente, e que permitirá explorar novas metodologias e abordagens aos negócios;
  • Desenvolver a sua rede de contactos;
  • Concluindo: o estágio profissional é uma experiência enriquecedora, e que vai ajudar a fortalecer e capacitar a geração mais jovem da empresa familiar.